top of page
  • giuliallupo

SHE WOLF convida ALEX SENNA

Aprendi a amar o monocromático.

Aprendi o encanto da introspecção.

Aprendi a beleza das pequenas coisas.

Tudo isso com a arte do Alex.


Com murais espalhados em mais de 25 países, Senna compartilha com os transeuntes, os sentimentos mais íntimos de seus personagens. Seu trabalho é quase todo preto-e-branco, fazendo com que a mensagem seja sempre simples e clara, vinda direto do coração.


Explique a sua arte em uma frase ou, melhor ainda, em uma palavra.

Verdade.


O que o seu eu do presente diria para o seu eu do passado?

Acredite em você.


Qual é o objetivo mais importante alcançado em sua vida?

Liberdade.


Você tem um lema pessoal que acaba sendo a forma de você lidar com as coisas?

Tenho várias que ouvi de diversas pessoas e artistas mas gosto de duas:

“Disciplina é liberdade” e “Humildade é pros humildes”


Quando você era pequeno o que queria ser quando crescesse e porque?

Quando pequeno sempre fui fã de quadrinhos, meu sonho era trabalhar na Disney, e fazer desenhos animados, sempre achei esse mundo fascinante.


Sua família te apoiou na escolha de ser artista?

Médio, sempre existiu um medo de não conseguir dar certo, medo de não conseguir se manter financeiramente, mas com o tempo, entenderam q era isso mesmo.


No que você acredita?

Acredito na verdade, pura e simples. Aquilo que está dentro da gente, nem sempre fácil de por pra fora.


Como você se vê daqui a dez anos?

Não sei, espero que pelo menos feliz.


Seu trabalho tem te feito feliz?

Sim, meu trabalho me fez ir mil vezes mais longe do que já imaginei, ainda não sou satisfeito completamente com o que faço, mas por isso que continuo estudando e produzindo pra chegar próximo de onde quero.


Seu trabalho fez outras pessoas felizes?

Imagino que algumas pessoas sim, pelo numero de feedbacks que recebo. São pessoas que são muito sinceras em seus relatos, logo acredito nelas.


A situação mais complexa que você já se encontrou.

Imagino que a passagem do trabalho corporativo para o mundo das artes foi o mais difícil, pois é necessário arriscar e acreditar. O risco é grande pois estamos falando do desconhecido, e o desconhecido sempre nos traz medo.


Pelo que você se sente mais grato na vida?

Sou grato pela coragem que tive em momentos chave da vida, de mudar, de tentar e se arriscar.


O que você acha ser a melhor coisa do Brasil e a pior?

Temos muito espaço pra pintar e um caos que nos possibilita o q é impossível em outros países.

O pior é que falta estrutura, entendimento e respeito pelo q o artista de rua faz, as vezes é sempre visto como um adolescente.


Você teve que fazer muitos sacrifícios para chegar onde está agora? O jogo valeu a pena?

Muitos, a maioria tem a ver com o jogo social, pois se vc quer o seu espaço, precisa lutar por ele, estar em muitos lugares, pintar e estar em situações de risco, e o mais importante que é pintar pelo prazer de pintar, esse ultimo não tem glamour ou reconhecimento, mas conta lá na frente.

Valeu muito a pena, tenho orgulho das escolhas que fiz e não me arrependo de nada, ou quase nada rs.


Qual você considera a sua melhor obra / projeto?

Existem vários que gosto, não há um melhor. Mas minha primeira viagem internacional sozinho (Londres), eu pintei muito em 40 dias (28 murais), esse rolê foi vital para minha carreira pois não havia nada certo, eu me virei e fiz meu nome sem festivais ou exposições, apenas com trabalhos na rua. Após esse rolê comecei a ser chamado para eventos internacionais.


Como você se reinventa nesse mundo de constante mudança?

Acho que o estudo e o constante exercício da produção, nos faz evoluir naturalmente, se reinventar é vital, porém sempre difícil pois novamente é necessário se arriscar.


O que você diria aos artistas que estão começando hoje?

Pra mim, o artista é feito de sua estrada e jornada então não se preocupe em aparecer, e sim, em produzir bastante, pra quando a oportunidade aparecer saber aproveitar da melhor maneira. Aparecer é bom, mas manter-se é melhor ainda, porém mais desafiador pois necessita de consistência.


O que você acha um artista não deveria fazer nunca?

Fazer o que está na moda, ou seguir tendências. Uma tendência é um pensamento coletivo, porém aqui estamos falando do individuo, sobre o que ele pensa e cria.



Arte da capa: foto original de Julie Aramburu e design da Giulia L.Lupo



49 views0 comments

コメント


bottom of page